Incontinência urinária é a perda involuntária da urina pela uretra. A condição acontece também quando há pequenos escapes diários, não apenas perda grande e incontrolável de urina.

A incontinência urinária atinge aproximadamente 5% da população mundial de todas as idades, acometendo com mais frequência mulheres e idosos, segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS). São 10 milhões de
brasileiros com esta condição.Qualquer pessoa pode ter incontinência urinária, mas ela não é igual em todos.

Conheça os principais tipos de incontinência urinária

Incontinência urinária de esforço: esse tipo de perda urinária ocorre quando a pessoa não tem força muscular pélvica para reter a urina. Sendo assim, as perdas urinárias serão desencadeadas por atividades como espirrar, tossir, rir, levantar pesos ou fazer algo que põe a bexiga sob pressão ou estresse.

Incontinência urinária de urgência: é um desejo tão forte e repentino de urinar que a pessoa não consegue chegar ao banheiro. Pode ocorrer também quando há uma pequena quantidade de urina na bexiga.

Incontinência urinária por transbordamento: esse tipo de incontinência ocorre quando a bexiga está sempre cheia, ocorrendo vazamentos. Também pode acontecer de a bexiga não se esvaziar por completo, o que leva ao gotejamento.

Incontinência urinária funcional: A incontinência funcional ocorre quando uma pessoa reconhece a necessidade de urinar, mas está impossibilitada de ir ao banheiro devido a alguma doença ou complicação que a impede de chegar ao banheiro por conta própria.

Incontinência mista: as perdas urinárias ocorrem durante um esforço e também na presença de urgência.

Causas

A eliminação da urina é controlada pelo sistema nervoso autônomo, mas pode ser comprometida nas seguintes situações:

● Comprometimento da musculatura dos esfíncteres ou do assoalho
pélvico;
● Gravidez e parto;
● Tumores malignos e benignos;
● Doenças que comprimem a bexiga;
● Obesidade;
● Tosse crônica dos fumantes;
● Quadros pulmonares obstrutivos que geram pressão abdominal;
● Bexigas hiperativas que contraem independentemente da vontade
do portador;
● Infecção do trato urinário;
● Prisão de ventre;
● Estresse emocional;
● Procedimentos cirúrgicos ou irradiação que lesem os nervos do
esfíncter masculino.

Sintomas de Incontinência urinária

Incontinência urinária de esforço: Liberação involuntária de urina, especialmente ao tossir, espirrar ou rir; Vazamento de uma pequena a moderada quantidade de urina.

Incontinência urinária de urgência: Frequente e incontrolável necessidade súbita de urinar; Pode vazar uma quantidade de urina moderada a grave, apesar de uma pequena quantidade ser possível.

Incontinência urinária por transbordamento:

● Vazamento de uma pequena quantidade de urina;
● Jato urinário fraco;
● Necessidade de se esforçar ao urinar e uma sensação de que a bexiga não está vazia;
● Necessidade urgente de urinar muitas vezes durante a noite;
● Vazamento de urina durante o sono.

Incontinência urinária funcional: A deficiência física ou intelectual o impede a pessoa de ir até o banheiro urinar a tempo. Por exemplo, se você tem artrite severa, você pode não ser capaz de desabotoar sua calça com rapidez
suficiente.

Formas de prevenção

É possível adicionar à rotina do dia a dia uma série de hábitos que evitam a
incontinência urinária. Fique por dentro:

● Controle a ingestão de líquidos à noite;
● Evite bebidas alcoólicas e com cafeína;
● Controle o diabetes e o peso corporal;
● Abandone o tabagismo;
● Regule os intervalos entre as micções. Não espere apenas a
vontade de urinar para ir ao banheiro;
● Mantenha uma alimentação saudável, com bastante fibras;
● Realize atividades físicas regularmente;
● Reconheça e evite alguns fatores que causam a IU, como uso de
remédios diuréticos ou problemas de locomoção em idosos.

Fatores de risco

Entre os fatores de risco para incontinência urinária estão:

Idade: a probabilidade de ter incontinência aumenta com a idade. Cerca de três ou quatro em cada 10 mulheres na meia-idade e mais velhas relatam ter incontinência urinária. E entre um a três em cada 10 homens mais velhos
relatam ter incontinência urinária.

Sexo: a incontinência urinária é, pelo menos, duas vezes mais comum em mulheres que em homens.

Raça: mulheres brancas são mais propensas a ter incontinência urinária de esforço em comparação com mulheres afro-americanas e asiáticas.

Obesidade: o peso extra aumenta a pressão sobre a bexiga e os músculos ao redor, o que os enfraquece.

Outras doenças: doenças neurológicas ou diabetes podem aumentar o risco de incontinência.

Tratamento
O tratamento da incontinência urinária depende do tipo de incontinência, da sua gravidade e da causa subjacente. Os especialistas que podem diagnosticar uma incontinência urinária são: Clínico geral, Urologista, Ginecologista e Geriatra.

Gostou dessa matéria? Então confira outras matérias que separamos para você em nosso blog.
Ficou com alguma dúvida? Mande uma mensagem com a sua pergunta. 💬
Dr. Carlos Del Roy
Ginecologista e Mastologista
CRM-SP 62.224 / RQE 28.88

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Agendar uma Consulta.
Escanear o código
Olá
Podemos ajudá-lo?