Problemas Vulvovaginais na Pós-Menopausa | Dr. Carlos Del Roy
Problemas Vulvovaginais Pos Menopausa

Problemas Vulvovaginais na Pós-Menopausa

A menopausa vem acompanhada por uma série de mudanças biológicas drásticas na vida da mulher, incluindo perdas na vida sexual e distúrbios ginecológicos, em alguns casos.

Após a menopausa, mais de metade das mulheres pode apresentar problemas vulvovaginais, que exercem um grande impacto sobre seu estilo de vida, emoções e vida sexual. Esses sintomas tendem a vir acompanhados por outros problemas pélvicos, como prolapso genital e problemas urinários e intestinais.

O mais preocupante é que muitas mulheres não estão recebendo o tratamento adequado para essas condições. É o que demonstrou um estudo publicado no periódico Menopause. Acompanhe.

Problemas Vulvovaginais na Pós-Menopausa – Saiba Mais

As alterações hormonais representam o mais comum fenômeno da menopausa, capaz de afetar significativamente os órgãos genitais e o sistema nervoso central da mulher. Tais alterações podem influenciar direta ou indiretamente na função sexual feminina, uma vez que comprometem os níveis de estrogênio, um hormônio fundamental para a manutenção do tecido genital saudável.

A deficiência de estrogênio na pós-menopausa também é responsável pela origem de problemas vulvovaginais, incluindo a atrofia vulvovaginal. Este distúrbio, por sua vez, afeta significativamente as funções sexuais da mulher, comprometendo principalmente a libido.

Dentre os sintomas vulvovaginais mais comuns mencionados pelas participantes da pesquisa, publicada na Menopause, estão o afinamento do epitélio vaginal, perda de elasticidade do assoalho pélvico, aumento do PH vaginal, redução da lubrificação, coceira, queimação, ardor, dor, irritação, ressecamento vaginal, alterações na sensação genital e dispareunia (dor na relação sexual). Um pouco mais da metade das mulheres afirmou que tinha um ou mais destes sintomas.

Muitas participantes do estudo apresentaram também problemas urinários, como vazamento de urina, aumento da frequência urinária, urgência, enurese noturna, dor ou ardor ao urinar e infecção do trato urinário. Além dos problemas urinários, significativamente mais mulheres com sintomas vulvovaginais tinham prolapso genital ou incontinência fecal.

“O dado mais impressionante é que, apesar de todos esses sintomas e do sofrimento que eles causam, quase um terço das mulheres não tinha ido a um ginecologista nos últimos dois anos. E a grande maioria – 83% – não estava recebendo o tratamento padrão para a menopausa. O estudo aponta que há uma necessidade não atendida de que as mulheres na pós-menopausa mantenham visitas ginecológicas regulares, onde perguntas sobre problemas de saúde possam ser feitas para determinar a presença de atrofia vulvovaginal, sintomas urinários de urgência, incontinência urinária, além de distúrbios do assoalho pélvico, visando oferecer terapias seguras e eficazes”, afirma o ginecologista Carlos Del Roy, CRM-SP 62.224.

Queda nas Funções Sexuais e Outros Sintomas da Pós-Menopausa

Além do declínio da produção hormonal, uma das consequências mais prevalentes da menopausa é a queda do desejo sexual, seguido pela disfunção da excitação e do orgasmo. Além disso, a funcionalidade sexual é influenciada também por fatores psicossociais, incluindo o bem estar emocional da mulher, a qualidade dos seus relacionamentos interpessoais e o desenvolvimento de doenças crônicas e/ou depressão.

Uma explicação plausível para a não procura das pacientes aos ginecologistas é o desconhecimento acerca dos problemas vulvovaginais na pós-menopausa. Muitas delas acreditam que se trata de uma condição natural do envelhecimento, e por isso deixam de relatar os sintomas aos seus médicos.

Essa falta de comunicação gera um declínio exorbitante na qualidade de vida das pacientes, que veem-se obrigadas a conviver com a dor e o desconforto vaginal, autoestima baixa, problemas urinários e perdas nas funções sexuais. Vale ressaltar que nenhuma mulher precisa conviver com isto: basta procurar um profissional de confiança e dar início ao tratamento adequado, o quanto antes.

Problemas Vulvovaginais na Pós-Menopausa – Buscando Ajuda Médica

A escolha do tratamento requer uma avaliação minuciosa por um especialista, e varia de acordo com as especificidades de cada mulher. As medidas médicas para enfrentar os problemas vulvovaginais nessa fase incluem o uso de hidratantes e lubrificantes, capazes de promover um alívio temporário, além de terapias de reposição hormonal, que geram bons resultados em curto e longo prazo.

Se você está na fase da pós-menopausa e vem enfrentando um ou mais dos sintomas citados ao longo do artigo, é provável que você sofra de algum problema vulvovaginal. A partir de agora, não perca mais tempo: marque uma consulta com um ginecologista de confiança e não deixe que esses desconfortos continuem comprometendo sua qualidade de vida.

Artigo publicado em: 07/02/2016.

Artigo atualizado em:

R. Joaquim Floriano, 871 - Sala51/52 Itaim Bibi, São Paulo

Telefone:

11 3887 8701

Agendar Consulta